Home > comportamento > Por que ficamos mais tristes no frio?
21/06/2023 comportamento

Por que ficamos mais tristes no frio?

O inverno chegou e isso não anima todo mundo. Na verdade, a estação tem impactos na saúde física e emocional

Se você, assim como eu, é do tipo de pessoa que gosta de abrir a janela e ver um dia ensolarado, tempo aberto e com aquela leve briza que ajuda a refrescar o clima quente, não vai gostar da notícia que eu tenho para dar a seguir. O inverno começou nesta quarta-feira (21) no hemisfério sul, mais especificamente às 11h47 no Brasil. A estação mais fria chega justamente no dia com menor tempo de luz solar do ano – o pôr do sol aconteceu hoje às 17h27.

Dias “mais curtos”, frentes frias que trazem quedas abruptas de temperatura, clima seco e céus cinzentos. Chega a dar um sentimento de desânimo, não é? Acontece que 62% das pessoas que participaram da enquete no grupo de notícias da Flash Vip no WhatsApp responderam também não gostar nem um pouco do inverno, contra 19% que têm estes três meses gelados como sua estação favorita.

O mais curioso é que não se trata apenas de uma questão de não gostar de frio. Pelo menos mais da metade dos participantes da enquete – 52% – afirmou se sentir mais recolhido ou desmotivado no inverno. A mesma pergunta feita nos stories do nosso Instagram @fvnasredes contabilizou 67% dos votos na mesma resposta. Estas pessoas provavelmente têm maior sensibilidade aos sintomas físicos e emocionais causados pelas condições desta época do ano, que podem até mesmo evoluir para uma doença.

A baixa incidência de luz solar do inverno, combinada com maior tempo dentro de casa para escapar do frio, pode acarretar em impactos biológicos no nosso organismo, como explica a psicóloga Deisy Parnof. “A falta de exposição ao sol interfere na baixa produção de vitamina D e da serotonina, responsável pela regulação do humor e sensação de prazer, ocasionando humor depressivo, tendência a uma maior irritabilidade, dificuldade em manter o foco, sensação de fadiga, assim como aumento na produção da melatonina e consequentemente necessidade de dormir mais”. 

Não, a tristeza ou o desânimo que você sente no inverno não é coisa da sua cabeça. Na realidade, se este estado se tornar corriqueiro e passar a interferir de forma intensa no seu funcionamento emocional, ele pode evoluir para o que é chamado de Depressão Sazonal. “Quando estes sintomas de humor deprimido se prolongam por vários dias ou semanas, pessoas com sensibilidade maior ao estresse, a tristeza, ao retraimento e isolamento social, ansiosas, com dificuldade de adaptação, podem se tornar mais suscetíveis ao transtorno afetivo sazonal”, explica a psicóloga.

Mesmo sendo temporária, a depressão sazonal precisa ser tratada, a fim de evitar um prolongamento do quadro, que também pode evoluir para os inúmeros tipos de transtornos depressivos mais conhecidos. Neste ponto, você já pode ter entrado em parafusos somente com a ideia de sofrer de transtorno afetivo sazonal. Mas calma, vou citar abaixo os sintomas informados pela psicóloga e, mesmo em caso de suspeita, sugiro que entre em contato com um profissional clínico antes de ter qualquer diagnóstico como certo.


Os sintomas da depressão sazonal são:

  • Mudança de humor de forma repentina sem motivo aparente;
  • Falta de vontade para desempenhar suas tarefas;
  • Desinteresse em realizar tarefas que antes proporcionavam prazer;
  • Desinteresse em praticar o autocuidado (desiste de fazer atividade física, descuida da alimentação, dificuldade para interagir em ambientes sociais com amigos e familiares);
  • Tristeza prolongada;
  • Alterações no sono;
  • Sensação de falta de energia, sonolência ou cansaço; 
  • Pensamentos negativos;
  • Tem a sensação de que não está conseguindo aproveitar a vida.

Não é possível afirmar que este é um diagnóstico comum entre as pessoas, como explica Deisy, mas há também atividades que podemos realizar a fim de prevenir ou reduzir os sintomas dos sentimentos de tristeza que podem acompanhar o inverno. A primeira delas seria talvez aproveitar ao máximo os dias de sol e dar a famosa lagarteada. E por que não na companhia de uma boa bergamota? Hábitos saudáveis para com nosso corpo é um pilar essencial para manter o equilíbrio com a saúde mental. Somente neste campo podemos incluir também a prática de exercícios físicos, o consumo de alimentos ricos em antioxidantes, organizar a rotina e também o sono.

Outras dicas para cuidar da mente são ter momentos de lazer e prazer, principalmente com companhias que lhe façam bem, reconhecer suas emoções, praticar meditação ou mindfullness e desenvolver uma boa inteligência emocional.

No final das contas, a chegada do solstício de inverno traz uma boa notícia para os haters do frio: a partir de agora, os dias voltarão gradativamente a ter mais horas de luz solar, até o próximo solstício de verão, que acontece no dia 21 de dezembro.


Fotos: Unsplash

AUTOR

Fernando Bortoluzzi

Jornalista e explorador em busca de expansão e conexão.
LEIA TAMBÉM