Home > inteligência emocional > Você se permite falhar
26/08/2021 inteligência emocional

Você se permite falhar

Como costuma reagir quando falha? Você se cobra demais?

Já parou para pensar quanta coisa você já deixou de fazer por medo de falhar? E será que é somente o medo de falhar ou medo do que os outros vão pensar caso isso aconteça? Gosto muito de uma frase de Freud que define exatamente isso que estou querendo dizer: “Nós poderíamos ser muito melhores se não quiséssemos ser tão bons.”

Na tentativa de sermos perfeitos, para nos sentir aceitos, muitas vezes nos tornamos exigentes e rígidos demais em nossas próprias vidas, sem perceber que o chicote da autocrítica somos nós mesmos que seguramos. Cobramos muito de nós. Exigimos muito de nós. Se quer ser melhor para si mesmo, desapega da perfeição e aceita a aventura de ser humano. Acolha as suas emoções e lide melhor com as suas falhas. Flexibilize com você mesmo e aprenda a ligar um botão chamado “não estou nem aí para o que vão pensar”.

Muitas vezes, esperamos estar prontos, preparados, capacitados, para só então iniciar algo novo, arriscar, experimentar novas possibilidades. Se pudesse te dar um conselho, seria este: Primeiro comece, depois fique bom. Não existe momento perfeito, você deve criar as próprias oportunidades (e esteja disposto a falhar – e aprender com as falhas).

Pessoas que vivem a vida com verdadeira leveza são pessoas flexíveis diante de si mesmas, da vida e dos outros. Que não se cobram tanto. O que acontece é que a inflexibilidade e autocobrança são, muitas vezes, um indício de uma enorme fragilidade na sua autoestima. É a insegurança que nos faz querer controlar a vida, endurecendo as nossas convicções, emoções e atitudes, criando exigência e rigidez consigo e com os outros.

A falta de flexibilidade e de resiliência interna torna a sua rotina pesada, te faz perder horas e horas a lamentar o que não deu certo e esgota a sua energia a tentar manter as coisas como acha que é “certo – perfeito”. Dica de ouro: Quando falhar, diga “Falhei, o que eu posso aprender com isso?”. Não se lamente. Desculpe-se e aprenda a lição. O primeiro “perdão” deve partir de você para você, e não do outro.

Experimente se flexibilizar mais, experimente flexibilizar a sua atitude e capacidade de tolerar a falha, não se cobrar tanto. Experimente relaxar a autocrítica e o autojulgamento. Experimente fazer aquilo que te faz feliz, sem medo de falhar. Experimente cobrar menos dos outros. Julgar menos os outros. Experimente.


AUTORA

Gabriela Cover

Colunista convidada da FV, é psicóloga, criadora do método Seja Líder de treinamento de liderança e inteligência emocional
LEIA TAMBÉM