Home > guia cultural > Vamos Harmonizar
26/08/2021 guia cultural

Vamos Harmonizar

Quando sua bebida favorita encaixa perfeitamente com o seu jogo

Você se preparou para sua jogatina. Jogo instalado, fone de ouvido a postos. Você se senta para jogar e olha para o lado. O que você vê? Tenho certeza que você vai tomar alguma coisa. Nessa hora você percebe que a sua bebida favorita encaixa perfeitamente com o seu jogo. 


Minha proposta agora é fazer um caminho diferente. Minha sugestão vai ser o que jogar quando você quer beber alguma coisa. Não precisa ser álcool, não. Vamos pensar em tudo um pouco. Bora?

Acordou de manhãzinha e está de folga? Fez aquele café passado, bem com calma, e sentou-se para jogar? É óbvio que você vai abrir um jogo da série Mass Effect. A franquia é brilhante em seus primeiros três jogos – e nada brilhante no quarto – e foi um marco para os RPGs com foco forte em narrativa. Uma experiência inescapável para fãs do gênero (e com um final espetacular, o qual estou disposto a sair no soco para defender). 

No entanto, se você está no domingão à tarde, depois do almoço e abriu uma cerveja, você não quer nada muito cabeçudo. Você quer dar risada e cair na porrada (apenas no mundo digital, por favor)? A série The King of Fighters é aclamada pelos fãs de jogos de luta. Além de extremamente divertidos, os jogos têm uma grande gama de personagens, história cativante e controles que permitem a diversão da sua irmãzinha até do tio-avô. A série relançou vários clássicos para computadores e consoles atuais e o mais notável deles (na minha opinião e, como a coluna é minha, é isso que importa) é o The King of Fighters‘97. Poucas coisas combinam tão bem com uma cerveja como uma boa rodada de “quem perde larga o controle”.

Sexta-feira à noite depois da semana puxada de trampo. Você mirou a semana inteira nesse desfecho: pedir um hamburgão e abrir um energético. Sentou do lado do computador com o energético e seus reflexos apurados certamente vão te ajudar em uma partida de League of Legends. O jogo foi uma febre mundial e é enorme até hoje no Brasil. Nos últimos anos, a Riot trabalhou bastante para tornar o jogo mais inclusivo para jogadores iniciantes e casuais e – mesmo que ainda pisando muito na bola – vagarosamente o cenário tem se tornado mais inclusivo. Vale aquela jogadinha, mesmo que em partidas casuais com os amigos, pra dar algumas gargalhadas. Ah! O jogo é completamente gratuito! 

Se seu rolê do dia for mais introspectivo e seu lance for mais focado em alguns quebra-cabeças, nada mais relaxante do que sentar pra jogar um pouco de The Witness. O jogo do brilhante Jonathan Blow (que também fez a obra-prima Braid) é um game de puzzles com dificuldade gradual que consistem em explorar uma ilha repleta de desafios e com aprendizado constante. Este jogo não é nada frenético e seus desafios são puramente intelectuais. Permite que você se sente com uma boa caneca de chá e visite a ilha maravilhosamente modelada tentando descobrir seus segredos.

Longe de mim estar aqui pra dizer o que (ou mesmo se) deve beber quando joga. Isso posto, jogos podem ser experiências bastante imersivas. Escolher o que te acompanha nesta hora pode tornar a experiência do jogo e a degustação da bebida muito mais saborosos. 


AUTOR

Angelo Parisotto

Colunista convidado da FV, é professor universitário. Joga mais do que é saudável, mas menos do que gostaria.
LEIA TAMBÉM