Home > tecnologia > O problema do plástico em embalagens
06/04/2022 tecnologia

O problema do plástico em embalagens

Atitudes que podem colaborar para um futuro mais limpo

Anualmente, cerca de 400 milhões de toneladas de plástico são produzidas pelo mundo, dentre elas, quase 160 milhões vêm de embalagens de uso único, ou seja, todo o ano 160 milhões de toneladas de plástico serão utilizadas uma única vez e depois descartadas. No Brasil, apenas 1,28% do plástico é reciclado, enquanto o restante vai para aterros, lixões e, eventualmente, uma parcela disso acaba nos oceanos, acarretando nos diversos impactos ambientais que você já deve estar cansado de ouvir. Mas relaxa, eu não tô aqui pra te passar notícias preocupantes sobre como estamos fadados a um futuro sombrio, já tem bastante dessas por aí. Meu intuito é apresentar algumas soluções tecnológicas de materiais que podem substituir o plástico em algumas de suas aplicações e dar algumas dicas de como você pode contribuir para um futuro mais limpo.

De espumas feitas de milho que se dissolvem na água, plástico filme biodegradável feito de proteínas do leite, até simples embalagens minimalistas usando papéis ou papelão, cada solução possui seus pontos fortes e fracos que poderiam ser discutidos, no entanto, hoje trarei atenção para um biomaterial de custo competitivo e baixo impacto ambiental que vem sendo utilizado para substituir materiais como isopor, espumas e até tecidos. Essa solução da biotecnologia se chama micélio. O micélio é a parte vegetativa dos cogumelos que, de forma coloquial, podemos vê-los como “as raízes dos cogumelos”. Ele pode ser cultivado em moldes preenchidos com material orgânico, em menos de uma semana ele se expande e se entrelaça, formando extensas malhas que unem a matéria orgânica em resistentes e duráveis blocos sólidos no formato do molde.

Contudo, o micélio e a maioria das inovações tecnológicas da área ainda são aplicadas em pequena escala, o que acaba aumentando seu preço e dificultando sua adoção em massa. Ainda assim, é nosso dever como consumidor se atentar aos impactos de nossas decisões, cada compra é um voto que damos para legitimar os comportamentos do mercado. Eu, como designer industrial, acredito que valorizar produtos e empresas que se dedicam verdadeiramente a fornecer práticas mais sustentáveis é uma forma eficaz de causar mudanças significativas na indústria e, consequentemente, no planeta. 


Lorenzo Grando Razzera – Designer industrial

AUTORA

FVcomunica!

Revista Flash Vip, contando histórias desde 2003.
LEIA TAMBÉM