Home > publi > Infecções urinárias
06/04/2022 publi

Infecções urinárias

Infecções bacterianas que afetam homens e mulheres de todas as idades

As infecções do trato urinário (ITU) correspondem a cerca de 1,2% de todas as consultas médicas requisitadas pelas mulheres. Dados norte-americanos estimam que sejam 7 milhões de consultas e 100.000 hospitalizações ao ano, com custo de mais de 2 bilhões de dólares anualmente.

De acordo com o médico urologista Marcelo Zeni, elas ocorrem quando a virulência do microorganismo aumenta ou as defesas do hospedeiro (paciente) diminuem. Pode afetar todo o trato urinário, desde rins e ureteres (ITU alta), até bexiga, próstata e uretra – as ITUs baixas. "Aproximadamente 30% das mulheres terão ao menos um episódio de ITU até os 24 anos de idade, chegando a 50% ao longo da vida. E uma vez que uma paciente teve uma infecção, está mais suscetível a recorrências", explica. Isso acontece porque o espectro de sintomas é variável, e depende da gravidade e local da infecção, podendo se manifestar desde os sintomas clássicos de dor para urinar e aumento da frequência urinária, até fortes dores na região lombar associadas à febre, calafrios e vômitos. Também pode cursar com sepse e até óbito, tratando-se, portanto, de um problema desafiador para os médicos, em especial os urologistas.

"O tratamento envolve a identificação do germe causador da infecção, com subsequente administração de antibióticos, de acordo com o tipo e o local da infecção em caráter ambulatorial (medicação para tomada por via oral) ou, nos casos graves, através de antibióticos administrados diretamente por via endovenosa", esclarece Marcelo.

Conforme o médico, uma vez tratada a infecção urinária, é fundamental prosseguir, pesquisar e investigar eventuais fatores causadores e predisponentes, que poderão ser corrigidos e tratados, reduzindo o risco de futuras infecções. Exames específicos e avançados, de acordo com cada caso, podem ser realizados para uma avaliação diagnóstica pormenorizada, como ultrassonografia, tomografia, cistoscopia, estudo urodinâmico, cintilografia, entre outros. 

Além de investigação médica criteriosa, algumas mudanças nos hábitos de vida podem auxiliar na prevenção das infecções urinárias recorrentes:

• Tomar líquidos (água, chás, sucos, chimarrão) em quantidades apropriadas – cerca de 2,5 litros ao dia; 

• Evitar ficar longos períodos sem urinar;

• Fazer a higiene adequada da região íntima, evitando a retirada total dos pelos da região genital; • Praticar exercícios físicos regularmente; 

• Aderir a estratégias que regulem o hábito intestinal (dieta rica em fibras, exercícios regulares e ingestão adequada de líquidos, diariamente), revertendo ou evitando quadros de constipação intestinal.

 Cabe também recordar que a automedicação é contraindicada, especialmente com antibióticos. "Esta atitude eleva os riscos de resistência aos antimicrobianos, reduzindo as opções de medicamentos que poderão ser prescritos quando realmente forem necessários. Na presença de sintomas, procure o médico", orienta.


Dr. Marcelo Zeni 
Urologista CRM/SC 13359 / RQE 9899 
Avenida General Osório, 273-D / Edifício General Osório, Sala 601, Centro / Chapecó 
@marcelozeni.uro
49 3316.1771

AUTORA

FVcomunica!

Revista Flash Vip, contando histórias desde 2003.
LEIA TAMBÉM