Home > editorial > Carta da Carla #95
21/12/2021 editorial

Carta da Carla #95

A matéria especial desta edição fala sobre o mundo VUCA – acrônimo inglês que significa Volatile, Uncertain, Complex e Ambiguous (volátil, incerto, complexo e ambíguo) – e o Mundo BANI – o novo acrônimo das palavras Brittle, Anxious, Nonlinear e Incomprehensible (frágil, ansioso, não-linear e incompreensível). 

No âmbito empresarial e mercadológico da sociedade contemporânea, cai por terra toda essa história de "no meu tempo". Não existe mais essa experiência, porque o mundo mudou. Somente os aprendizados do século XX não são mais suficientes para a prática do século XXI. 

Algo como um mundo líquido, que escorre entre os dedos, tamanha é a velocidade que tudo acontece. Essa realidade faz com que a adaptação seja necessária, pois a constante transformação exige adaptabilidade e capacitação para saber se moldar, também a sua empresa ou ainda o seu produto para as constantes evoluções. 

Nunca o ditado "quem vive de passado é museu" faz tanto sentido. Não estou aqui, em hipótese nenhuma, minimizando o estudo e o conhecimento adquirido, mas sim tentando explicar que somente ele não sobrevive no mundo BANI. 

Hoje, a fama (moeda corrente do mundo BANI) de um influenciador vale (por causa dos milhões de seguidores) muito mais que um autor com vários livros escritos ou um intelectual com mestrado, doutorado. 

No mundo tradicional, o conteúdo fixo de aprendizado resultava em pessoas bem sucedidas, quanto mais souber, mais chance de acertos teria. Uma pessoa considerada culta acumulava uma grande quantidade de informações, mas esse modelo de conhecimento não basta. Falam em educação ultrapassada que para hoje não é necessária no mercado de trabalho. Já me sinto um ET. 

Causa uma sensação de impotência, quem sabe por isso a fragilidade é o primeiro item. 

A informação e o estudo continuam sendo essenciais, porém traduzir dados e capacidade de reproduzir o que está escrito nos livros não basta para o corporativo atual. 

"As regras foram mudadas, porque a partir de agora, nós pensamos em um saber que não tem forma definida", diz Leandro Karnal. 

Um saber que se transforma a todo instante, não saber menos e nem saber mais, mas sim saber diferente. Dinamismo e capacidade de atender múltiplas demandas, rápida e eficiente para análise e resposta de uma situação criada. Qual ser humano não vai ficar ansioso com isso? 

Ser criativo também é fundamental. Karnal vai além e diz que devemos fazer perguntas. Essa habilidade a inteligência artificial ainda não tem. Aprender a questionar é habilidade humana. Aprender a responder deixamos para Alexia ou para a Siri. 

Doido, né? Quem sabe por isso é incompreensível. 

Não sabemos o amanhã, as previsões do passado e planos de negócio, caem por terra nas incertezas econômicas. Uma nova pandemia ou ainda a falência de uma gigante empresa na China. Sem respeitar roteiros ou estratégias transparece a não-linearidade do momento. Uma sociedade à beira de um ataque de nervos ou de plena felicidade, pois a qualquer momento vem uma notícia que pode mudar o mundo. E essa notícia pode ser boa também. Quem sabe o final da pandemia ou ainda uma vacina contra o câncer. 

O futuro, literalmente, a Deus pertence! 

Um abraço acalentador, apertado e quentinho, que somente nós pessoas podemos dar! 

Feliz Natal e um forte, saudável, estável e compreensível Ano Novo!


Um superbeijo e ótima leitura!


AUTORA

Carla Hirsh

Jornalista, especialista em Marketing, criadora da Flash Vip.
LEIA TAMBÉM