Home > guia cultural > A melancolia inebriante de Chelsea Wolfe
31/05/2022 guia cultural

A melancolia inebriante de Chelsea Wolfe

Beleza na obscuridade

Conhecida pelo ar místico e obscuro em suas canções e alcance vocal soprano, a californiana de 38 anos traz no seu trabalho uma variedade de artistas e gêneros como influências, incluindo blues, noise rock experimental, black metal, música folclórica escandinava, rock gótico e doom metal, passando por bandas como Black Sabbath, Sonic Youth, Deftones e Burzum. Em entrevista, Chelsea disse: “Tenho dificuldade em me ater a um gênero e, honestamente, prefiro assim. Prefiro ser livre, experimentar e fazer o tipo de arte que eu quero fazer do que ser fácil de definir.”

Já fez composições em parceria com Chino Moreno (Deftones), Emma Ruth Rundle e a banda de Mathcore, Converge. Também trabalhou em um projeto paralelo, a banda Mrs. Piss ao lado de Jess Gowrie.

Com oito álbuns de estúdio, as letras e melodias densas e soturnas em grande parte tratam sobre temas mais obscuros do ser, como angústias, ansiedade, pesadelos e até mesmo paralisia do sono (fenômeno que a cantora e compositora experienciou durante parte de sua infância e adolescência).

Apesar de suas músicas terem passado por um longo processo de amadurecimento ao longo da carreira, toda a essência melancólica, densa e existencial se faz presente em todos os seus trabalhos. Suas apresentações em palco são extremamente minimalistas e até um pouco “contidas”, com um ar envergonhado, mas posso dizer que mergulhar no universo de Chelsea Wolfe é uma experiência atmosférica intensa, visceral e única. 

Além dos trabalhos em estúdio, Chelsea também traz em sua carreira o filme Lone (2014), dirigido por Mark Pellington. A obra retrata um universo abandonado, composto por suas memórias, e usa suas músicas como narrativa para abranger temas como “natureza, sexualidade, memória, mortalidade, perdão, amor, inocência, fragilidade, violência e beleza”, diz o diretor.

Em seu mais recente trabalho, fez parceria com o lendário compositor de terror Tyler Bates, que ao lado do compositor/produtor Ben Chisholm é o responsável pela trilha sonora mórbida e arrepiante do longa-metragem X, do diretor Ti West, que estreia nos cinemas brasileiros no dia 28 de julho. O single principal da produção cinematográfica é a música intitulada Oui Oui, Marie, composta e interpretada por Chelsea, e carrega um pouco da personalidade e história de uma das personagens do filme.

AUTORA

Louise Fuganti

Designer e fotógrafa, tem a arte e a música como principal ferramenta de comunicação e expressão.
LEIA TAMBÉM